Carregando...
Blog

A classe média tem medo de escola pública

Às sextas-feiras tenho a oportunidade de pegar Caio na escola. E aí ele aproveita pra brincar com os amigos na hora da saída. Eu fico sentada perto da piscina da escola observando aquele monte de meninos lindos correndo, brincando, pegando amora no pé… Uma delícia. Acontece que ao observar com mais cuidado, percebo que os amigos do meu filho são “iguais” a ele: classe média, brancos (não há um negro na sala dele!) e donos das mesmas oportunidades. Minha mente inquieta ferve. A gente acaba vendo a escola particular como única opção por vários motivos. Queremos que nossos filhos tenham uma educação de qualidade e que sejam bem preparados e, como sabemos, a escola pública deixa a desejar, sim. O problema é que nossos filhos são privados de ter contato com um público diversificado, são criados e educados num mundo cor-de-rosa onde todos podem tudo, têm os mesmos brinquedos e frequentam os mesmos lugares. O mundo de verdade, no entanto, não é igual. Imaginem só se nós, mães esclarecidas e que priorizamos a qualidade do ensino, matriculássemos nossos filhos em escolas públicas e mostrássemos o quão interessadas e dedicadas somos em relação ao ensino dos pequenos… De repente a postura da escola pública poderia mudar. Mas não o fazemos. Não por falta de vontade ou por preguiça, mas porque quem tá na jogada são nossas crias e, quando o papo é filho, a coisa muda de figura. Não queremos arriscar. É mais seguro abandonar a escola pública e garantir um “ensino de qualidade” para os nossos filhos.
Deixo aqui a entrevista da atriz Andréa Beltrão cujos filhos estudam em escola pública:
A atriz Andréa Beltrão diz que a imagem de escola pública em sua vida está associada à qualidade de ensino.
FOLHA – O que a levou a matricular seus filhos na rede pública?
ANDRÉA BELTRÃO – A vida inteira fui aluna de escola pública, e isso está associado para mim a uma coisa boa. Estudei no Pedro 2º e minha mãe foi professora lá por muitos anos. Tenho uma situação financeira confortável e poderia matriculá-los num colégio caro, mas queria uma escola de qualidade onde o critério de entrada não fosse o dinheiro. Meus filhos estudam com filhos de médico, de porteiro, de servente. Todos vestem o mesmo uniforme. Isso não é bravata ou bandeira. Fui criada dessa maneira.
FOLHA – Há quem possa olhar e dizer que você está roubando a vaga de um aluno pobre.
ANDRÉA – É uma visão reacionária. Meus filhos conseguiram a vaga porque são netos de funcionário, e eu me beneficio disso sem nenhum pudor porque pago meus impostos e penso que a escola pública de qualidade é um direito de todos. Mas procuro também ajudar bastante a escola, e fico muito feliz ao perceber que vários pais fazem o mesmo, de acordo com suas possibilidades.
FOLHA – O fato de seus filhos poderem ter um nível de consumo maior que o dos colegas não dificulta a convivência?
ANDRÉA – De jeito nenhum. Aliás, rola um constrangimento maravilhoso se um aluno quiser ostentar dentro da escola. É um mico fazer isso num lugar onde a filosofia é: “Não risque o seu caderno porque no ano que vem outras crianças vão usar”. Isso muda o comportamento em relação ao ter. Eles, por exemplo, ganharam Ipod [tocador de MP3 da Apple] logo que foi lançado, mas só passaram a levar para a escola quando os demais colegas começaram a ter esses aparelhos de MP3. Lá, se destaca quem tirar notas mais altas, e não quem tem mais para ostentar.

Comentários

comments

15 comments
  1. SERRA DE JAGUAMIMBABA MANTIQUEIRA

    A classe média abandonou a Escola Pública, quando então sua presença fazia com que educação enquanto politica pública estivesse sempre na agenda. Fechou-se em seus condomínios fechados, em seus carros brindados. Agora em nome de um "guerra justa" pretende reduzir a maioridade penal objetivando com menores historicamente abandonados são vistos como seres a ser eliminados. Aliás com certeza os pretos e os pobre. Estarrecidos com os arrastões, não perceberam que não vai da para transferir Copacabana para dentro de seus condomínio.

  2. Micha Descontrolada

    eu estudei em escola pública até a 7a. série no castelo branco, aí em SG, qdo me mudei pra niteroi e fui pr escola particular.
    a diferença daquela época pra hj é a família se fazendo presente e ajudando na educação do filho. hj em dia só falta mãe querer batar em prof. q faz reclamação do filho, passa a mão na cabeça e não educa.
    é triste, mas é verdade…

    /(,")\
    ./_\. Beijossssssssss
    _| |_…………….

  3. Nanci

    Sempre estudei em escola publica mas fiz faculdade particular. Vendo a diferença da estrutura nao posso dizer que queria colocar minha filha na escola publica. Mas a vida dá voltas e eu nao sou classe média. Diante do miserê que virou nossa vida eu comecei a procurar uma escola publica que fosse ao menos segura. Daí descobrimos que a Alana tem Sindrome de Asperger e que talvez tivéssemos que colocá-la numa esola especial. Fiquei sem muitas opções. Enfim, gostaria que houvessem escolas públicas onde as crianças tivessem um banheiro descente, professores atentos e segurança. Infelizmente não conheço nenhuma aqui perto. Conheço crianças da periferia que tem 10 anos e nao sabem ler, e nao são poucas. Minha filha tem 5 e sabe ler e está aprendendo a escrever, domina o computador. A escola dela não é de rico, minha mãe e minha irmã assumiram os custos, ela é tratada como os outros alunos (com um pouco mias de atenção pela condição dela), há diversidade. Acho que o ensino público está tão falido que algumas particulares estão ficando mais acessiveis, pensando nas classes C e D, onde os pais nao tem dinheiro sobrando, mas acham que vale a pena, trabalhar mais, pedir ajuda da familia, pedir bolsa, pra que a ida do filho a escola não seja um susto diário ou pior, uma perda de tempo. Nem todo mundo mora perto de escolas como a Pedro 2°. andrea beltrao tem sorte, e concordo com ela, é direito dela colocar os filhos onde quiser, a escola publica é de todos. pena que algumas nao valham a pena nem passar em frente.

  4. (Mamãe) ~Pinel

    Eu estudei em escola pública de 1ª a 4ª, e acho que a Andréa tem toda razão em tudo que ela disse nesta entrevista!

    Acho super importante os valores que aprendemos em escola pública.
    Não sei como estará a educação daqui 6 anos, mas pretendo colocar a Lara para fazer o primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental em alguma escola pública, mas, claro, que ela seja a melhor da cidade, em quesito de estudo, afinal, ela também precisa ter uma boa base nos estudos e não só na vida.

    Meu irmãozinho que tirou sorte grande. Foi sorteado para estudar no centro pedagógico da UFMG, não paga e o ensino é mais que excelente! Sem falar que ele conviverá com crianças de todas as classes lá também!

    Ótimo post! Parabéns!
    Beijo!

  5. Morena

    Mas o CPII não é uma escola publica qualquer né?!?
    Eu tbm quero que meus filhos estudem lá!
    Eu estudei em escola publica e por ser bonitinha e ter vidinha melhor eu sofri montes q n desejo a ngm! Mas tbm me diverti e aprendi mto! Tudo é questão de educação mesmo
    Beijos saltitantes

  6. Pinguinho da Mamãe

    Oi, Dany.
    Sou Prof da escola pública e se puder não coloco minha filha para estudar em uma.
    Deixa eu explicar.
    Concordo com o que a Andreia Beltrão disse, os pais independente da escola, tem uma parcela importânte na educação. Alias, te digo, meus melhores alunos são aqueles que os pais cobram o mínimo em casa.
    Mas isto não muda minha opinião.
    É triste, mas sabe o que estraga a escola pública: Profissionais despreparados, insatisfeitos e que "dão aula" por não conseguir nada melhor.
    O governo esta errado, sim, Claro, em muitos aspectos: baixos salários, péssimas condições, e terrível sistema de administração e avaliação.
    Sou professora porque quis. Não porque foi o que me restou.
    E no fundo sabemos: qto mais sem educação e cultura for o povo, melhor para quem os governa!
    Desculpe se peguei pesado…
    Bjs
    Ju

  7. Paloma, a mãe

    Dany, este é meu eterno dilema, sabia? Queria colocar a Ciça na escola pública, mas fico com medo de "arriscar". Na verdade, ela só seria aceita no ano que vem, quando fará 4 anos, mas eu já tenho este dilmea faz tempo. E em 2011, que já daria para ela ir, temo tirá-la da escola atual, onde ela está tão bem adaptada.
    Beijos

  8. katia Ruivo

    Dany, amei seu post, tudo a ver, mas cá entre nós, alunos do Pedro II não tem perfil de alunos da rede pública estadual nem municipal, porque pra passar pra lá só sendo aprovado em concurso concorridíssimo. Queria ver a Andréa Beltrão matricular seus filhos na rede estadual, ha ha ha!
    beijos, amiga!

  9. Casamento feliz

    Segunda , fui na apresentaçaõ da filha de uma amiga ( escola particular ) e comentei com ela exatamente isso … Que entre mais de 100 alunos , tinha 2 nesgros . Ale é negro e eu penso muito sobre esses assuntos …

    achei interessante a postura da Andrea

    Beijos

  10. Mãe Mochileira,filho malinha..

    Infelizmente existe escolas e escolas..se vc me entende! e falo tanto das publicas como das particulares…
    ;-(
    otimo texto, queria que todo mundo refletisse sobre isso antes da eleição…e tenho fé que um dia ,algum presidente vai de fato investir na educação brasileira…
    :-/
    beijos,boa semana!!

  11. Karine

    Ai, Dany! Estamos falando de Pedro II, uma das poucas escolas públicas confiáveis no nosso Estado. Junto com as CAPs (da UERJ e UFRJ) e mais a Federal de Química, e talvez até arriscaria uma FAETEC da vida, são colégios de excelência. Você pode fechar os olhos e colocar seu filho aí. De resto, VERGONHA!!!! Sou professora de escola pública e me orgulho de sê-lo porque tenho certeza absoulta de que fiz um bom trabalho… mas, trabalhando sozinha não ia servir de nada! Professores mal remunerados geram impaciência, desamor e até mesmo descaso. Nem tente me dizer que o amor ao trabalho fala mais alto. NÃO!!!! Não fala mais alto, infelizmente!!! Poderia te contar mil e uma histórias do que vi entre professores e alunos da minha escola. Era de dar pena com a falta de respeito aos alunos. O Estado deveria repensar seus deveres, lógico. Mas, esse descaso está mais atrelado à velha teoria de "massa ignorante" dá mais voto! Afinal, o Brasil é feito de pão, circo, carnaval e futebol! Pra que serviria a população saber mais do que o necessário? Ui, falei muito…
    Beju

  12. Sílvia Renata

    Noooosssa, sabe que hj, meu marido e eu estavamos falando sobre isso enquanto levávamos o Eduardo pra casa da vovó? Estudamos em escolas publicas e foi bom, mas sempre que eu falava em colocar o Eduardo numa escolinha, eu falava em coloca-lo numa particular, mas sabe pq? Não pelo ensino, é pq aqui as escolas publicas q aceitam crianças menores são apenas as municipais, e vivem de greve. Vejo minha cunhada correndo como uma louca procurando quem cuidar da filha dela no periodo da greve, e infelizmente todo ano tem… coisa de city minuscula… mas seu post me fez pensar em inumeras coisas… Parabéns!

Leave a Reply

Favoritos da Dany
%d bloggers like this: